Reduzindo o impacto das tensões geopolíticas

1º de março de 2023

Compartilhar no LinkedIn Compartilhar no Facebook Compartilhar no X

No ano passado, países de todo o mundo enfrentaram guerras, saíram de uma pandemia global, um legado do Brexit e ameaças à segurança alimentar e de combustível.

Esses fatores afetaram e continuarão a afetar os riscos, causando choques nas cadeias de suprimentos globais e na vida cotidiana. Mudanças significativas no cenário geopolítico, que são, por definição, criadas pelo homem e, portanto, imprevisíveis, como o aumento da inflação e do custo da energia, exigem uma resposta verdadeiramente holística. As alavancas de risco que impulsionam essas mudanças estão conectadas e, portanto, qualquer resposta deve ser integrada.

Um desafio para os gerentes de risco que administram programas de seguro globais, internacionais ou locais é o que segurar sob sua transferência de risco, o que absorver dentro da retenção e da capacidade/apetite de risco e com quem fazer parceria para fornecer a resposta conectada necessária. Do ponto de vista deles, o dilema é aumentar o apetite pelo risco e procurar uma solução cativa ou de alta franquia ou optar por um modelo mais terceirizado que ofereça certeza quanto ao preço e à entrega.

Para as seguradoras, trata-se de como definir o preço, como revisar e fortalecer os termos, criar novas coberturas, o grau de energia verde versus a subscrição tradicional. Para os provedores de serviços, trata-se de como equilibrar pessoas e tecnologia e ser um verdadeiro parceiro na mesa para moldar as respostas. Infelizmente, não é possível mitigar ou evitar todos os riscos - especialmente com o aumento da incerteza - e é por isso que, mais do que nunca, é necessária uma forte resposta do seguro.

Transferência de risco

Existem várias coberturas que podem ajudar a fornecer garantias e devem ser consideradas como parte do gerenciamento de programas globais de sinistros pela equipe de gerenciamento de riscos. Essas coberturas variam de risco político e violência a terrorismo, risco de crédito e contingência. A cobertura cibernética, por exemplo, também é fundamental na era da guerra cibernética e dos ataques como armas de interrupção. Isso exige uma forte resposta a incidentes, capacidade 24 horas por dia, 7 dias por semana e um ecossistema de parceiros para gerenciar vários componentes - da reputação à restauração.

Ter a cobertura e o nível de franquia corretos é um bom ponto de partida, mas vai além disso. Trabalhar com o corretor e a seguradora, pensar no futuro e preparar os processos de sinistros a partir do momento do sinistro e considerar como uma perda será gerenciada pelo ajustador/especialista pode levar seu plano alguns passos adiante. Por exemplo, é fundamental trabalhar com parceiros que tenham cobertura global e possam acessar os locais desejados ou aproveitar a inteligência artificial (IA) para maior automação, quando apropriado. Também é benéfico para o seu parceiro utilizar tecnologia remota, como satélites/drones, para aumentar os processos e ter o conhecimento técnico para lidar com sinistros especializados.

Para atingir essas metas, é preciso colaboração em toda a cadeia de valor, discussões regulares com as partes interessadas e controles robustos de gerenciamento de programas. Treinamentos e aprendizado conjunto, que geralmente são realizados após uma catástrofe climática, são uma boa maneira de criar confiança de que, se o pior acontecer, a resposta estará pronta. A natureza dos sinistros geopolíticos é tal que os riscos são muito altos, portanto, é necessário investir tempo para acertar o modelo e o processo antes de iniciar um programa.

Resiliência

Por trás dos desafios globais está uma ameaça constante: a falta de mitigação das mudanças climáticas. Houve eventos quase apocalípticos em todo o mundo - de enchentes a incêndios e terremotos cada vez mais imprevisíveis e ferozes, além de temperaturas e secas recordes, criando incêndios em uma escala nunca vista antes. A agitação civil é um fator adicional a ser considerado. Para as seguradoras e seus parceiros, essas preocupações representam uma oportunidade de incorporar ainda mais suas agendas ambientais, sociais e de governança (ESG), ajudar a criar cidades inteligentes, adaptar mais princípios baseados nas Nações Unidas para seguros sustentáveis e usar as lições positivas aprendidas durante a COVID para impulsionar uma maior sustentabilidade e resiliência nos negócios.

Inovação

No entanto, as crises geram inovação, e o setor de seguros tem a capacidade única de apresentar soluções, concentrando-se na criação de respostas mais econômicas aos sinistros. Isso pode significar o uso de ferramentas mais remotas, a adoção de mais agendas digitais, o desbloqueio do poder dos dados para gerar percepções e valores profundos, a análise de soluções paramétricas e o combate à Grande Demissão por meio da criação de estratégias de talentos de longo prazo. Em última análise, é uma combinação de pessoas, tecnologia e processos em parcerias que podem colaborar e garantir que o gerente de riscos que está analisando um portfólio global complexo tenha as coberturas, o plano de continuidade de negócios, a segurança de dados e os provedores de serviços corretos.

Novos problemas continuarão a surgir devido a eventos geopolíticos caóticos e à volatilidade dos mercados financeiros, mas tenha certeza de que estamos com você em cada passo do caminho.

Tags: Resiliência, Segurança de dados, Desempenho, Inovação, Desempenho de negócios, Resiliência, Resiliência, Risco, Gerenciamento de risco, Gerentes de risco, Gestão de risco, Riscos, Cadeia de suprimentos, Interrupções na cadeia de suprimentos, Tecnologia