Monitoramento de roubos de veículos modernos

9 de fevereiro de 2024

Compartilhar no LinkedIn Compartilhar no Facebook Compartilhar no X

Por Mike McGee, Investigador Sênior, EFI Global.

A conveniência pessoal traz consigo a vulnerabilidade em potencial. A evolução da segurança dos veículos começou com uma fechadura mecânica e uma chave. Isso logo evoluiu para incluir um sistema de alarme de fábrica, antes de o setor mudar para uma chave com um chip transponder codificado. Em seguida, houve a mudança para a partida por botão com um fob de RF (controles remotos que transmitem seus sinais usando radiofrequência) e um sinal de transponder codificado. Atualmente, alguns veículos têm até mesmo um comando de partida quando é detectado que o motorista está sentado.

Apesar desses avanços em segurança, os Estados Unidos estão registrando níveis quase recordes de roubos de veículos, que continuam a aumentar, de acordo com um relatório divulgado pelo National Insurance Crime Bureau (NICB). O relatório afirma que quase 500.000 veículos foram registrados como roubados em todo o país no primeiro semestre de 2023, marcando um aumento de mais de dois por cento em comparação com o primeiro semestre de 2022. As seguradoras devem permanecer vigilantes e tomar medidas proativas e de bom senso para ajudar a impedir o roubo, como nunca deixar as chaves ou o chaveiro no carro, sempre trancar as portas e fechar as janelas e nunca deixar objetos de valor à vista de todos.

A evolução do roubo de veículos

A cada evolução, a vulnerabilidade do sistema de segurança foi identificada, explorada e transformada em uma arma para derrotá-lo, permitindo que o veículo dê partida e se movimente sem as chaves ou os fobs cortados de fábrica.

No passado, os veículos dependiam de travas mecânicas para portas externas e porta-malas. Uma lâmina de chave metálica de corte simples ou duplo era usada para operar a fechadura. Em 60 segundos, os ladrões conseguiam arrombar, arrancar ou destruir o mecanismo da fechadura, permitindo o acesso ao veículo e ao mecanismo de acionamento da chave de ignição. Mesmo em 2020, alguns veículos não usavam outra segurança além de uma lâmina de metal de corte lateral para dar partida no motor do veículo, permitindo que os roubos fossem realizados muito mais rapidamente.

Sistemas de segurança baseados em transponder

Um transponder, abreviação de transmissor-respondedor, é um dispositivo eletrônico que recebe um sinal de rádio e transmite automaticamente um sinal diferente. Nesses sistemas, um chip transponder programado está no arco da chave ou no compartimento da FOBIK (chave inteligente). Cada chip contém um código de segurança específico para o veículo ao qual foi atribuído, assim como o número VIN exclusivo de um veículo. Os códigos de segurança e os cortes de chave são armazenados com o fabricante do veículo e podem ser acessados por chaveiros devidamente credenciados por meio de um administrador terceirizado, conforme necessário. 

Há várias vantagens na utilização de chaves mecânicas com códigos de transponder programados, ou seja, dois ou quatro sistemas de segurança precisam ser manipulados para dirigir o carro. A trava mecânica ou o interruptor de ignição acoplado precisa ser desativado para permitir que o sistema elétrico funcione, e o sistema de inibição do motor baseado em transponder antifurto do fabricante precisa ser contornado ou recodificado para aceitar o código do criminoso. Se o veículo estiver equipado com uma trava de direção, a articulação mecânica precisará ser desativada. E, em alguns casos, a trava do câmbio da transmissão precisa ser anulada ou desativada.

Outro sistema comum é o FOBIK, um fob com uma chave integrada, que existe desde 1996 e se tornou mais comum nos veículos modelo 2006. Infelizmente, o sinal transmitido pelo comando remoto de entrada sem chave pode ser bloqueado por qualquer dispositivo capaz de transmitir um sinal de uma frequência específica, incluindo vários dispositivos comuns, como abridores de portas de garagem ou raquetes de tênis Wii. As chaves flip são outro tipo de fob que usa uma chave de metal para dar partida no veículo e que não transmitem um sinal continuamente.

Mas as chaves com chip têm várias desvantagens. A trava de ignição mecânica pode ser arrombada ou fisicamente destruída, e os veículos com capacidade de programação a bordo podem ser reprogramados sem a necessidade de equipamentos especiais, em apenas 30 minutos. Quanto às chaves flip, a maioria pode ser clonada em uma duplicata exata, portanto, o veículo aceita o(s) código(s) da mesma forma que faria com a chave original.

Ainda assim, os sistemas de chave baseados em transponder oferecem níveis mais altos de proteção, maior confiabilidade e, ao contrário de uma chave física que pode ser roubada ou copiada com a intenção de obter acesso não autorizado a um veículo, um chaveiro pode ser rapidamente reprogramado por um chaveiro automotivo profissional em apenas alguns minutos. A mesma tecnologia está sendo usada por ladrões para apagar o código da chave do veículo e programar o fob com um novo código que permite a partida do veículo. É fundamental que todos os segurados conheçam o sistema de chaves do próprio veículo e suas consequentes vulnerabilidades, e considerem esses fatores ao escolher um veículo para usar, alugar ou comprar.

Sistemas de partida remota

Os veículos com sistemas de segurança de partida remota têm camadas extras de proteção incorporadas. As portas devem ser fechadas e travadas antes que o motor possa ser ligado e, se o motor funcionar por 15 minutos, ele será desligado automaticamente. Além disso, se uma entrada não autorizada for feita por uma porta, o sistema desliga o motor. Se uma pessoa entrar por uma janela quebrada, assim que o pedal do freio for pressionado para mover a alavanca de câmbio, o motor também será desligado.

As chaves inteligentes são ótimas por sua conveniência: basta apertar um botão para dar partida no veículo se o sinal da chave estiver a menos de um metro da antena receptora interna. Para entrar no veículo trancado, é necessário que a chave inteligente esteja a uma distância específica da maçaneta da porta, o que minimiza a probabilidade de roubo. E, se o veículo tiver sido ligado com uma chave inteligente adequada, ele poderá ser dirigido sem a presença dessa chave, mas não será reiniciado depois de desligado sem o código de segurança adequado.

Ao contrário do equívoco comum de que o uso de um sistema de partida remota aumentará as chances de se tornar vítima de roubo de veículos, os sistemas remotos podem, na verdade, ajudar a evitá-lo. Os recursos comumente incorporados aos sistemas de partida remota, como travamento automático e desligamento automático, garantem um alto nível de segurança e precaução.

A investigação: determinar se um veículo é roubado

Um investigador de fraude de seguro em uma unidade de investigação especial (SIU) primeiro bloquearia a declaração do segurado sobre a ocorrência e realizaria uma extensa pesquisa sobre o caso. O investigador realiza exames minuciosos dos mecanismos de trava e testa os sistemas de segurança do veículo. Eles usam recursos como scanners de diagnóstico para detectar anomalias nos vários sistemas e usam recursos de leitura de chaves, ou seja, informações registradas na chave, incluindo quilometragem registrada, última data e hora de uso, quantas chaves estão programadas e muito mais.

O uso da tecnologia Berla, hardware e software especializados que recuperam as informações armazenadas no sistema de infoentretenimento de um veículo - um sistema de componentes que oferece uma gama de funções de conforto e segurança, incluindo rádio e navegação - é fundamental. Todos os eventos do veículo são registrados. Isso pode incluir partidas, paradas, abertura ou fechamento de portas, aceleração ou frenagem brusca, além de datas e horários de cada ocorrência individual. 

Dependendo do sistema de infoentretenimento específico do veículo, até mesmo informações sobre conexões com o veículo - telefones ou dispositivos Bluetooth, juntamente com seu número identificador exclusivo - podem ser obtidas. As conexões telefônicas revelam não apenas a lista de contatos do telefone, mas também registros de chamadas, datas, horários e locais onde cada chamada foi feita e onde o telefone estava quando uma chamada foi recebida ou perdida. 

Também podem estar disponíveis registros de navegação e rastreamento, que mantêm o controle do veículo ao longo de toda uma rota de viagem em uma data específica. Obviamente, a aquisição desse tipo de dados do sistema de infoentretenimento do veículo ou das informações do registrador de dados de eventos requer o consentimento por escrito do proprietário do veículo.

Olhando para frente

Apesar da crescente sofisticação dos sistemas antifurto e de inibição do motor, qualquer veículo pode ser roubado. Um Cadillac 2022, por exemplo, pode ser colocado no modo de reprogramação com um clipe de papel. 

Independentemente dos meios que uma pessoa usa para cometer um furto, a investigação e a pesquisa adequadas podem determinar se um veículo foi furtado ou se algum outro motivo - uma falha mecânica, acidente ou dirigir embriagado, por exemplo - está por trás do sinistro. Como os sinistros de veículos atingem a casa dos bilhões a cada ano, uma maior cooperação entre as agências será fundamental para minimizar os roubos de veículos.

Alguns desses conceitos foram apresentados na 2023 Associação Internacional de Unidades de Investigação Especial (IASIU) em Dallas, Texas.