Agitação civil: A história vai repetir-se?

21 de setembro de 2022

Partilhar no LinkedIn Partilhar no Facebook Partilhar no X

por Ian Newth - diretor de construção e engenharia e Andrew Cavan - diretor de grandes perdas e perdas complexas - Norte, Sedgwick UK

Estamos no negócio de estar preparados para responder a situações impensáveis. E, embora os avisos de mau tempo indiquem a possibilidade de um surto, está a formar-se uma nova tempestade que pode atingir qualquer lugar, a qualquer momento e sem aviso prévio. O risco global potencialmente significativo que todos enfrentamos atualmente é a agitação civil.

Crise do custo de vida

Historicamente, em épocas de dificuldades sociais e financeiras, os protestos, as marchas e as greves têm muitas vezes evoluído para confrontos com as autoridades policiais. As revoltas anteriores desencadeadas por uma crise de custo de vida incluem os motins de 1981 em Inglaterra, a primavera Árabe de 2010 e os protestos dos coletes amarelos em França em 2018.

Além disso, em agosto de 2011, o que começou como uma marcha de protesto pacífica em Londres transformou-se rapidamente num grande motim. Diz-se que as redes sociais desempenharam um papel importante no desencadeamento de eventos semelhantes em várias outras grandes cidades nos dias que se seguiram. Milhares de manifestantes foram detidos, cinco pessoas morreram, muitas ficaram feridas e os danos materiais foram estimados em 200 milhões de libras.

Riscos socioeconómicos

Atualmente, no Reino Unido, é amplamente noticiado que os salários não conseguem acompanhar o aumento da inflação e os consumidores estão preocupados com a forma como vão aguentar os meses de inverno. O aumento dos preços da energia também tem impacto nos custos de fabrico, produção e distribuição de fornecimentos e serviços vitais. Embora os problemas da cadeia de abastecimento provocados pela COVID pareçam estar a abrandar, a inflação é agora afetada pela escassez de mão de obra, por várias greves e por outros factores geopolíticos.

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) aumentou para 10,1% em julho, o valor mais elevado desde fevereiro de 1982, enquanto a confiança dos consumidores se encontra num mínimo histórico.

Não estamos sozinhos. O último Índice de Agitação Civil da Verisk Maplecroft mostra que, no último trimestre, houve mais países a registar um aumento dos riscos de agitação civil do que em qualquer outro momento dos últimos sete anos, em grande parte devido às pressões socioeconómicas que continuam a aumentar. Dos 198 países, 101 registaram um aumento do risco, em comparação com apenas 42 onde o risco diminuiu.

Mundo interligado

O nosso mundo está cada vez mais interligado e as comunicações sobre o descontentamento social e político são fáceis de publicar e partilhar nas redes sociais, facilitando a criação de uma rede de apoiantes a nível global. As actualizações e os vídeos amplamente distribuídos também podem amplificar os acontecimentos que ocorrem noutras partes do mundo e criar um efeito de arrastamento em áreas mais próximas de casa.

Embora ninguém possa prever onde ou quando podem ocorrer distúrbios civis, no atual clima global parece sensato garantir que estamos preparados para o pior. E compreender o que está e o que não está coberto, para os tomadores de seguros, seguradoras e corretores, é um bom ponto de partida.

Considerações de carácter geral

Em qualquer motim em grande escala, as infra-estruturas do país e os bens do Estado podem estar em risco, e as revoltas podem ter um impacto significativo nas receitas locais do turismo e da hotelaria. Os confrontos que se tornam violentos podem também resultar em danos consideráveis em bens, veículos e perdas por interrupção da atividade.

Para as grandes organizações multinacionais, a exposição a estes riscos é maior. Seria aconselhável que estas organizações analisassem o âmbito da cobertura fornecida pelas suas seguradoras em relação a greves, distúrbios civis e motins. Poderão também ser investigadas áreas especializadas de cobertura da violência política.

Compensação

Em Inglaterra e no País de Gales, ao abrigo da Lei de Indemnização por Tumultos de 2016 - e de legislação semelhante na Escócia e na Irlanda do Norte - as seguradoras e os tomadores de seguros podem apresentar pedidos de indemnização à autoridade policial local em caso de danos em edifícios, conteúdos, existências e veículos motorizados resultantes de um motim. Um motim tem uma definição legal específica e existem limites temporais rigorosos para o processo de indemnização, pelo que é fundamental que as provas sejam recolhidas imediatamente para demonstrar que ocorreu um motim legalmente definido.

No entanto, é importante notar que, ao abrigo deste regime, os pedidos de indemnização por perdas de interrupção da atividade não são recuperáveis, nem os custos de alojamento alternativo e de perda de renda, quando cobertos por uma apólice de seguro.

Acções rápidas

À medida que uma crise substitui a outra, os próximos meses poderão ser muito difíceis para muitas pessoas da nossa comunidade global. Mas perante o aumento do potencial de agitação civil, temos de estar preparados e prontos para responder rapidamente a todos os aspectos da situação, caso esta evolua. As acções precoces atenuarão a extensão dos danos e contribuirão para uma recuperação mais rápida e suave para todos.